Menu de navegação

Rede Estadual Primeira Infância de Mato Grosso do Sul (REPI-MS)

Editorial – Boletim Semestral da REPI/MS

O tema “redes” não é mais novidade. Hoje as redes têm implicações diretas na busca do desenvolvimento local e estão alinhadas às demandas do governo e da sociedade, numa atuação integrada. A agregação das instituições que, movidas por uma causa em comum, articulam-se é um conceito simplificado de rede. Para o desenvolvimento local, é necessário articulação e mobilização da sociedade e canalização de suas potencialidades. Desta forma, um dos caminhos para o desenvolvimento local é a atuação em redes.

Destarte, teoricamente o caminho está traçado para os propósitos, no nosso caso específico, da promoção, da defesa e da realização dos direitos da criança de até seis anos de idade, traduzidos em fortalecimento da Rede Estadual pela Primeira Infância de Mato Grosso do Sul (REPI/MS) e em incentivo e apoio aos municípios para elaboração de Planos Municipais pela Primeira Infância (PMPI).

Iniciamos retomando os parceiros antigos e convidando novos a realizarem a adesão. A Secretaria Executiva (representada pela OMEP/BR/MS/CG), que iniciou o trabalho em 2011, forneceu recursos institucionais para a viabilização desta ação, com apoio de recursos materiais e humanos para o trabalho de comunicação, articulação e mobilização institucional. A OMEP/BR/MS/CG, ao assumir este papel, o fez por ser membro da OMEP/Brasil, pelos seus propósitos estatutários e por acreditar estar somando esforços em prol da garantia dos direitos dos pequenos. Neste período, avaliamos internamente o crescimento da REPI/MS e verificamos que a expansão do número de associados deveria ocorrer de forma gradual, com a participação de instituições do interior, com diversidade de área de atuação e estruturação.

As expectativas foram superadas, estruturamos as redes sociais e o site da REPI/MS, alimentando-os várias vezes ao dia com matérias sobre saúde, educação, cuidados na Primeira Infância, cultura, brincadeiras, entre outros. Consequentemente, em pouco mais de um mês, tivemos um aumento no número de curtidas, de 50 para 177, na fan page da REPI/MS. As publicações têm um alcance de até mil pessoas. O site tem cerca de 90 visitas por dia, enfim demos visibilidade à Primeira Infância no estado. Temos o desafio de inserir as demandas locais, o que está acontecendo vagarosamente, devido à falta de estrutura das instituições e da pouca prática em publicizar suas ações.

A REPI/MS já realizou nova eleição para Secretaria Executiva, instituiu grupo gestor e está elaborando seu regimento interno.
Como parte da mobilização da REPI/MS, a efetivação dos direitos se concretiza pela elaboração dos Planos Municipais pela Primeira Infância – os municípios de Coxim e Corumbá estão finalizando seus Planos Municipais (PMPI). No documento, estão descritas proposições sobre saúde, educação, assistência social e cultura, visando à melhoria da qualidade vida da Primeira Infância. Os planos contemplam as percepções, os desejos e as opiniões das crianças sobre os seus direitos. Em suma, são ações que colocam os pequenos em primeiro lugar.

As dificuldades encontradas como técnico de desenvolvimento local estão relacionadas à pouca governabilidade, na falta de um aparato institucional governamental de apresentação e respaldo em relação a quem representamos no processo; aos próprios dilemas institucionais e pessoais do dia a dia das instituições locais; à dificuldade de identificar e aglutinar pessoas realmente dispostas a percorrer todo o processo de construção do plano.

Contrapondo-se a essa situação, temos o subsídio do Plano Nacional e do Guia para elaboração dos Planos Municipais; promoção do encontro de pessoas de diferentes áreas viabilizando o pensamento e a prática da intersetorialidade; boa articulação local entre governo e sociedade civil; existência e boa estruturação de vários conselhos de segmentos, os quais oferecem o suporte necessário ao desenvolvimento dos planos.

Neste cenário, de idas e vindas, o plano de Coxim já foi finalizado e agora aguarda aprovação do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA). O de Corumbá, entretanto, ainda está incompleto, mas estamos confiantes de que o comitê responsável por sua elaboração cumprirá sua meta o mais rápido possível.

Maria Auxiliadora Leal Capillé é assistente social e coordenadora da REPI/MS.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *